ePockets: os livros de bolso estão voltando

A moda dos livros de bolso está voltando. Editoras de peso já começaram a investir nesse nicho. Afinal, o hábito de ler é necessário, independente do formato que um livro se apresenta.

Porém, ainda há um foco excessivamente grande, uma tendência pouco promissora das editoras em publicar no formato de pocket books apenas textos que já estão em domínio público ou que parte das editoras, tenham em seu catálogo como livros convencionais.

Isso reflete diretamente na produção nacional, considerando que não está sendo dado espaço para publicação de textos inéditos e, menos ainda, para os novos autores.

No entanto, visando os novos talentos da literatura, a Web Startup está desenvolvendo um novo projeto. O e-pockets, ou seja, pocket books em formato de e-books e que poderão alcançar o universo dos internautas com preços mais acessíveis.

Para garantir a viabilidade deste projeto, a Web Startup busca investimentos para poder preservar a qualidade editorial das publicações estabelecidas a partir do selo Ryoki Produções, fundada pelo escritor mais prolífico da literatura, de acordo com o Guinness Book of Records.

Veja abaixo alguns dos títulos de pulp fiction que já estarão disponíveis no lançamento do ePockets:

 .

.

O que são livros Pulp Fiction?

Chama-se Pulp Fiction as obras impressas em papel jornal, que é originário da polpa da celulose. Daí ser Pulp Fiction, ou seja, obras de ficção feitas em papel barato. Considerado como um dos mestres do gênero pelo Wall Street Journal, Ryoki Inoue é o escritor brasileiro que mais publicou histórias de western, guerra, espionagem, aventura e romances policiais.

Quem é Ryoki Inoue?

CARREIRA E HISTÓRIA

ryokidesenhoFormado médico pela USP, especialista em Cirurgia do Tórax, Ryoki deixou a medicina em 1986 para se tornar escritor.

Em pouco tempo, já dominava 95% dos pocket books publicados no Brasil: escreveu 999 novelas em seis anos, entre estórias de faroeste, guerra, policiais, espionagem, amor e ficção científica.

Quando, em 1992, sugeriu aos seus editores uma melhora na apresentação gráfica dos livros de bolso brasileiros, espantou-se com o pouco caso que eles todos manifestaram quanto ao seu projeto. Não interessava a nenhum editor melhorar a qualidade gráfica e literária dos livros que produziam e muito menos de competir em nível internacional.

Abandonou, então os pockets para se dedicar a livros maiores, mais elaborados e com maior qualidade gráfica.

Só que Ryoki se deparou com um outro problema: nenhuma editora brasileira tinha fôlego para publicar e distribuir sua fenomenal produção: uma média de seis novos títulos por mês.

Devido à sua intensa e extensa produção literária, desde 1993, Ryoki Inoue figura no International Guinness Book of Records, como o homem que mais escreveu e publicou livros em todo o planeta.

Tudo começou há 55 anos, exatamente no dia 22 de julho de 1946, em São Paulo, quando Ryoki nasceu de mãe portuguesa e pai japonês. Formou-se em medicina em 1970 e largou-a em 1986 para tornar-se escritor, editando seus pocket-books, sob nada mais, nada menos, que 39 pseudônimos, por exigência de seus editores. Sua grande especialidade na época foi o estilo policial, onde as tramas apresentavam muita ação, espionagem e traições. Porém, jamais deixou de escrever sobre um tema que sempre o apaixonou: o faroeste. Suas novelas de banguebangue são verdadeiros filmes que prendem o leitor da primeira página à última, de tal forma que algumas montadoras de automóveis proibiam seus empregados de entrarem na fábrica com esses livros pois eram capazes de abandonar a linha de produção enquanto não terminassem completamente a leitura.

Foi também editor e redator dos periódicos Farol do Sul Capixaba (Piúma/ES), Notícias do Japão (1992-93/SP), International Press (1993-94/SP – Tóquio), O Riso do Corujão (1996-97/Campos do Jordão); das revistas Amazônia (1992/Giparaná – RO), Letra Verde (1997-98/Campos do Jordão) e Vertente (1997/São José dos Campos – SP) e cronista de diversos jornais e publicações, por seis anos.

Quando chegou à marca dos mil livros, com a obra E Agora, Presidente? (prefaciado pelo jornalista Alexandre Garcia), Ryoki decidiu-se por uma mudança em sua carreira literária, abandonando os livros de bolso e passando a escrever romances maiores, publicados com seu próprio nome. Seus temas são simplesmente tudo, a vida, o cotidiano, os debates sociais, histórias de gente comum e de gente não tão comum.

Em 1992, fez o lançamento de seu livro A Bruxa na Bienal Internacional do Livro (SP). Um outro marco na vida do autor foi a publicação, em 1993, no Japão, de seus livros Conexão Perigo: São Paulo-Tóquio, O Preço do Tráfico, Operação Amazônia e Sempre há Esperança, voltados para o público nipobrasileiro residente naquele país. Já no ano seguinte, implantou o Pólo Editorial de Pocket Books para a América Latina, em Piúma (ES).

Seu nome já foi objeto de matérias em importantes publicações e programas de TV, como a Folha de São Paulo, O Estado de São Paulo, Jornal do Brasil, Folha da Tarde, Jornal da Tarde, Valeparaibano, Gazeta de Vitória, A Tribuna, revistas Veja, IstoÉ e Manchete, no Brasil; Portugal Diário, revista Lire e Culture, na França; Der Spiegel, na Alemanha; Wall Street Journal (matéria de capa), nos USA; e várias outras publicações ao redor do mundo; programas Jô Soares – Onze e Meia (SBT) Globo Repórter e Fantástico (Rede Globo), e foi entrevistado pela Radio Culture de Paris e pela Nippon Televison Network, de Tóquio, entre outros.

Ao ver Ryoki no Guinness Book, Matt Moffett, jornalista americano do Wall Street Journal, teve sua curiosidade despertada para o processo de criação do escritor, querendo ver pessoalmente para crer, como alguém poderia produzir histórias de sucesso em tão pouco tempo. Assim, lançou um desafio ao escritor e aportou em São José dos Campos (onde Ryoki morava na época), no final de janeiro de 1996. Uma semana depois, Moffett contou como nasceu o livro de Ryoki Inoue – Seqüestro Fast Food, elaborado em uma noite, mais precisamente das 23h30 às 4h – num dos jornais mais famosos do mundo.

Com 1.102 livros, de seu próprio punho, sua produção compulsiva não parava nunca. Chegou a escrever três romances por dia, trabalhando madrugadas inteiras. Estima-se que a marca atual beira 1500 publicações.

Para ele, o segredo do processo criativo está em noventa e oito por cento de suor, um por cento de talento e um por cento de sorte. Além disso, disciplina e aplicação é o que faz com que ele consiga ficar sentado diante de seu computador e daí não saia antes do the end de sua nova obra.

Depois da criação do Selo Editorial Ryoki Produções, o autor continuou produzindo vários romances, e fez trabalhos como ghostwriter para pessoas famosas e para empresas, além escrever roteiros.

A partir de 2010, Ryoki teve complicações de saúde e mudou-se de São Paulo para o Espírito Santo. O autor continua escrevendo, porém com o objetivo de produzir até no máximo dois romances por ano. Assim, com mais tempo, ele passou a aperfeiçoar seus conhecimentos no campo da espionagem — obviamente para melhor criar seus romances — dedicando-se à pesquisa e ao estudo de Inteligência Competitiva, fazendo traduções de livros, artigos e teses para empresas desse ramo.

O que diz a crítica sobre Ryoki Inoue?

“As histórias de seus livros são de tirar o fôlego. Como os eventos ocorrem em minutos e dias, Ryoki faz os batimentos cardíacos dos leitores aumentarem. É difícil interromper a leitura por causa da narração que acontece como num filme, como no bom cinema americano com todos os ingredientes repletos de sexo, corrupção, violência, política, espionagem e um final surpreendente. Ryoki é o Pelé da literatura.” Alexandre Garcia, Rede Globo TV

“Ryoki alimenta sozinho mais de 400 mil leitores por mês.” Eduardo Bueno, Estadão

“A maioria das edições dos livros escritos por Ryoki alcançam mais de 10 mil exemplares. Todos eles são vendidos imediatamente.” Severino Francisco, Correio Brasiliense

“O mais produtivo escritor do Brasil e do mundo tem seus trabalhos escritos com um português perfeito.” ANSA Agency

“Ele produz capítulos inteiros durante suas idas ao banheiro.” Matt Moffet, Wall Street Journal

“A produção literária do incansável Ryoki Inoue levou-o não apenas ao Guinness Book como o autor mais prolífico do mundo, mas também a ser comparado a Georges Simenon por alguns críticos internacionais. Outros comparam seu estilo e sua velocidade de produção com Sidney Sheldon. Outros dizem que ele pode ser posto ao lado de Harold Robbins, principalmente pela forma como tece as tramas de seus thrillers.” Flávio Tiné

“A maioria das pessoas não conseguem ler na mesma velocidade que ele escreve.” Jô Soares, Jô Onze e Meia

O milésimo livro marca a virada na carreira de José Carlos Ryoki de Alpoim Inoue. E agora, Presidente? Um romance político-policial que aproxima esse escritor de ficção da realidade brasileira.” Paulo Pestana, Correio Brasiliense

“Junto com a imaginação e o dom de escrever, o que o torna especial é sua disciplina e determinação.” Goulart de Andrade

“Não é difícil encontrá-lo escrevendo em seu PC de 6 as 2 da manhã.” Programa Fantástico, TV Rede Globo